Pressão venosa

O segredo por detrás da circulação sanguínea

Pressão venosa

Pressão venosa degressiva

A pressão venosa diminui continuamente da periferia em direção ao coração. À altura do tornozelo de uma pessoa em pé, a pressão é de 90 a 110 mmHg e depende da gravidade e da distância do coração até ao pé. Assim sendo, a altura de uma pessoa é decisiva para a pressão venosa em repouso quando está de pé. À medida que nos deslocamos, a pressão cai para aprox. 20 mmHg, enquanto estiver garantida uma drenagem venosa suficiente. Vários fatores são importantes para o retorno venoso até ao coração.

A ação do coração em direção à periferia (força retrógrada)

O coração é, antes de mais, uma bomba de pressão e, em segundo lugar, uma bomba de sucção. Em adultos com corações saudáveis, é pressionada uma média de 70 ml de sangue do ventrículo esquerdo para a aorta, durante a fase de ejeção. Este volume de sangue exerce uma pressão adicional (além da já existente) sobre a coluna de sangue na aorta e nas artérias que dela saem. Isso "empurra" o sangue ainda mais através do sistema vascular, pelo lado arterial do sistema capilar, para dentro das vénulas e, a partir daí, através das veias na direção do lado direito do coração.

Quanto maior for o diâmetro venoso na direção do coração, menor é a pressão que prevalece. Numa pessoa saudável deitada, a pressão nos capilares venosos é de aprox. 20 mmHg; desce aprox. para 8 - 12 mmHg na virilha, ainda mede em torno de 3-5 (mmHg) na cavidade abdominal (intra-abdominal), mas apenas 2 mmHg na aurícula direita.

Estas pressões são adequadas para o transporte de retorno do sangue. A ação de sucção do coração apenas entra no segmento venoso final, ou seja, pouco antes da veia cava superior se abrir para a aurícula direita. Esta sucção ocorre durante a fase de ejeção e é gerada pelos movimentos das válvulas no coração.

Sucção causada pela respiração (força anterógrada)

A pressão no tórax é negativa (vácuo parcial). À medida que inalamos, esta pressão negativa aumenta e, ao mesmo tempo, a pressão intra-abdominal cresce à medida que o diafragma desce. Isso faz com que as válvulas venosas na veia femoral fechem.

Este fenómeno, chamado “princípio de Valsalva”, é usado na investigação diagnóstica de veias como o primeiro teste funcional exploratório das válvulas venosas. A pressão venosa diminui a partir da cavidade abdominal até ao peito, para gerar sucção nas veias torácicas.

À medida que expiramos, as válvulas voltam a abrir como reação à queda da pressão intra-abdominal. Em resultado disso, as veias pélvicas e a veia cava inferior enchem-se novamente com sangue que, em seguida, continua a fluir na direção do coração. Esta bomba bifásica abdominal/torácica é impulsionada pela atividade do coração.

Tonificação venosa

O sangue nas veias exerce pressão sobre a parede da veia. Isso gera tensão na parede da veia, servindo de contrapressão para o sangue e assegurando que a pressão venosa não aumenta ainda mais. A pressão venosa e o volume de sangue venoso estão intimamente relacionados.

A bomba muscular

O sistema venoso profundo está integrado nos músculos. Assim sendo, todas as contrações musculares apertam as veias para empurrar a coluna de sangue dentro delas na direção do coração. Quando o músculo relaxa, as válvulas venosas impedem o fluxo retrógrado do sangue na direção dos capilares.

Distúrbios

Apenas uma determinada quantidade de sangue é transportada na direção do coração a cada contração muscular. Neste contexto, o papel mais importante é desempenhado pelos músculos da barriga da perna. No entanto, válvulas venosas eficientes são essenciais para uma "drenagem" eficaz.

Em geral, convém lembrar que o transporte de sangue nas veias é passivo e depende da interação entre vários fatores. Se apenas um desses fatores for afetado - caso o paciente esteja acamado, por exemplo, com a consequente "drenagem" das veias por contração e relaxamento da musculatura da barriga da perna - podem desenvolver-se transtornos do fluxo de retorno venoso. Por sua vez, isso pode causar tromboses ou mesmo tromboembolismo.

Meias de compressão da medi

Aqui você encontrará maiores informações sobre as meias de compressão da medi.

Meias de compressão da medi
Meias de compressão da medi

Diagnóstico e tratamento

Como o sangue retorna ao coração

Causas, sinais e tratamento de vasinhos

Vasinhos (ou veias aranha)

Dica sobre o produto

Meias de compressão

A peça de vestuário compressiva ideal

Meias de compressão

Diagnóstico e tratamento

Como o sangue retorna ao coração

Várias formas de doença venosa

Doença venosa

Rate this Content

 
 
 
 
 
 
 
Rate
 
 
 
 
 
 
0 Rates
0 %
1
5
0